5 atividades físicas que ajudam a controlar doenças respiratórias na criança

1. Introdução

Tosse incessante, dificuldade de respirar, febre, cansaço extremo, dor no peito. Esses são os sintomas mais comuns das doenças respiratórias que acometem as crianças, trazendo tensão e preocupação pros pais. Bronquite, asma e doenças alérgicas, como as rinites, são algumas das enfermidades que ocorrem com maior frequência.

Mais comuns no outono e no inverno, essas doenças são o principal motivo de visitas ao pediatra, mas não se preocupe! É possível melhorar a qualidade respiratória das crianças com atividades físicas cotidianas, que vão fortalecer o sistema imunológico delas e ajudar a evitar e controlar as crises.

Confira abaixo quais são as doenças respiratórias mais comuns na infância e quais atividades físicas são as mais recomendadas pra tratar e evitar o problema!

2. Conheça as doenças respiratórias mais comuns em crianças

As doenças respiratórias mais comuns são as infecções respiratórias agudas, que podem ser causadas por vírus, fungos ou bactérias. Esses micro-organismos atacam as vias aéreas desde as cavidades nasais e oral até os pulmões e causam doenças como pneumonia, gripe, laringite, bronquiolite, faringite e amigdalite.

Asmas e rinites também acometem muito os pequenos, que ainda têm um sistema respiratório e imunológico imaturo e, por isso, sofrem com vários quadros infecciosos e alérgicos ao longo do ano.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 13% das mortes de crianças menores de cinco anos ocorridas no Brasil no ano de 2000 foram causadas por pneumonia. A asma é a doença crônica mais comum na infância. Estima-se que, no Brasil, haja 20 milhões de asmáticos. A doença é responsável por cerca de 350 mil internações por ano.

Essas infecções tendem a diminuir de intensidade na medida em que as crianças crescem, já que elas tomam vacinas que as imunizam contra agentes mais perigosos, como a vacina anual contra a gripe e a pneumocócica, que protege contra o pneumococo, que causa pneumonia, entre outras doenças. Além disso, seu sistema imunológico vai amadurecendo e se tornando mais forte.

Alguns cuidados com o ambiente onde a criança passa a maior parte do tempo, uma alimentação balanceada e a prática de exercícios físicos também contribuem pra reduzir as crises.

Evitar objetos como carpetes, pelúcias e tecidos que acumulem poeira e ácaros também é muito importante pra garantir um ambiente mais saudável pros pequenos, especialmente os que já têm histórico de infecções respiratórias.

Nos próximos tópicos, você vai saber como a prática de exercícios físicos é essencial pra recuperação e prevenção das doenças respiratórias na infância. Vamos listar algumas modalidades e seus principais benefícios pra saúde dos pequenos. Confira!

3. Efeito dos esportes no combate aos sintomas das doenças respiratórias

Ver o filho com cansaço, chiado e dificuldade pra puxar o ar durante as crises respiratórias deixa os pais apreensivos.

A aparente fragilidade da saúde respiratória das crianças que sofrem com essas doenças coloca em dúvida os benefícios que a prática de exercícios físicos poderia lhes trazer, especialmente quando se percebe que o esforço físico é um fator que desencadeia as crises, como nos casos da asma por esforço.

Mas os esportes, na verdade, são grandes aliados pra fortalecer o sistema respiratório e reduzir os efeitos desses sintomas. Os cuidados que devem ser tomados se referem mesmo à intensidade dos exercícios, respeitando a condição clínica e os limites da criança.

Por isso, o acompanhamento de um profissional especializado pra monitorar esse esforço é imprescindível pra que a criança se exercite com segurança e possa se beneficiar dos efeitos da prática esportiva pra fortalecer o sistema respiratório.

A prática de esportes melhora a capacidade de ventilação e reduz o estresse respiratório, o que faz com que a criança ganhe, aos poucos, mais resistência e aptidão pra realizar tarefas diárias, como subir escadas, correr e brincar, sem um cansaço excessivo.

Essas atividades cotidianas são normalmente as mais problemáticas pra quem tem asma ou outra doença que acometa as vias aéreas, e isso acaba por comprometer a qualidade de vida da criança.

Esportes como a natação, o ciclismo e a corrida, lutas como o judô, ou mesmo uma simples caminhada são grandes aliados nesse processo de reabilitação respiratória, além de muito prazerosos pros pequenos.

As crianças que praticam exercícios físicos regularmente também se beneficiam com outras coisas, como o controle do peso e do metabolismo energético e melhor qualidade do sono, o que vai refletir na saúde infantil como um todo.

Pros esportes praticados ao ar livre, a recomendação é um cuidado especial com a temperatura ambiente, especialmente em dias muito secos e com baixa qualidade do ar. Essas condições podem facilitar o aparecimento de reações alérgicas e comprometer a capacidade respiratória durante os exercícios. Uma boa hidratação também é indispensável!

Pras crianças que usam medicamentos vasodilatadores, as chamadas bombinhas, a recomendação é usar o medicamento antes de iniciar uma prática esportiva mais intensa, pra favorecer a ventilação e evitar os broncoespasmos – contrações da musculatura dos brônquios, que causam o estreitamento da luz bronquial e dificultam a respiração.

Qualquer que seja o esporte escolhido, as crianças asmáticas ou com outros problemas respiratórios devem iniciar as atividades com um aquecimento leve e gradual, uma vez que as crises de falta de ar tendem a se manifestar nos primeiros minutos da prática do exercício.

À medida que o corpo se aquece, há um aumento do diâmetro dos brônquios, o que favorece a passagem do oxigênio. Por isso, o alongamento deve ser mais demorado que o realizado por crianças que não têm problemas respiratórios, e os exercícios aeróbicos devem ser menos intensos.

O retorno ao estado de repouso também deve ser gradual, pra evitar o desconforto respiratório. A qualquer sinal de cansaço excessivo, deve-se interromper o exercício.

A prática de atividades físicas deve ser superior a 12 minutos, pois períodos muito curtos de exercícios podem causar broncoespasmo.

Com a prática gradual e prolongada, há o efeito inverso: a broncodilatação favorece a passagem do ar ao mesmo tempo em que exercita essa musculatura, tornando-a mais forte pra evitar e reduzir os efeitos das crises.

4. As vantagens da natação

Não é por acaso que a natação é um dos esportes mais recomendados pra crianças que têm doenças respiratórias.

O ambiente mais úmido e os exercícios aeróbicos promovidos por esse esporte trazem inúmeros benefícios pro sistema respiratório, aumentando a capacidade e a resistência dos pulmões, do diafragma e dos músculos intercostais – todos envolvidos de maneira direta no processo respiratório. Além disso, é um esporte que favorece a dilatação dos brônquios, facilitando a troca do gás carbônico por oxigênio.

Como a umidade relativa do ar no ambiente da piscina é mais elevada, há uma maior quantidade de oxigênio disponível, o que melhora a qualidade do ar que a criança respira, além de manter as narinas, as estruturas das vias aéreas e os brônquios mais úmidos, reduzindo, desse modo, os efeitos de secura que desencadeiam os processos alérgicos.

A resistência que a água oferece exige que a criança force mais a respiração pra se deslocar durante o nado. Isso faz com que a respiração se torne naturalmente mais ampla, forçando o trabalho dos pulmões e melhorando a capacidade cardiorrespiratória.

O contato direto com a água atua ainda como um vasodilatador, favorecendo a circulação sanguínea, o que, consequentemente, melhora a oxigenação de todo o organismo.

Até mesmo a posição horizontal, na qual o esporte é praticado, traz benefícios pra quem sofre com doenças respiratórias. Isso porque, nessa posição, é mais fácil liberar o muco que fica nas partes inferiores do pulmão. Essas secreções podem obstruir a passagem do ar, dificultando a respiração e favorecendo as crises de falta de ar.

Durante a natação, toda a musculatura intercostal é alongada, movimentando a caixa torácica ao abrir e fechar as costelas, a cada braçada. Esses movimentos trabalham também a musculatura abdominal, favorecendo a respiração diafragmática. Abrir e fechar as costelas facilita a inspiração e a expiração, o que fortalece toda essa musculatura envolvida no processo respiratório.

5. Caminhando na praia (ou na cidade)

A caminhada é outra atividade muito benéfica pras crianças com problemas respiratórios. Até mesmo uma corrida leve é indicada, sempre respeitando os limites e as condições de saúde da criança.

Caminhar diariamente por 30 minutos melhora o condicionamento físico como um todo. Favorece a circulação sanguínea e a capacidade cardiorrespiratória, aumentando a oferta de oxigênio no organismo e a resistência física.

Além da diversão e do ambiente com cara de lazer, a areia fofa e a alternância com o piso mais duro próximo ao mar fazem com que a caminhada ou a corrida na praia exijam mais esforço da criança, o que melhora o fôlego e fortalece a musculatura das pernas – favorecendo também o desenvolvimento do equilíbrio.

O ambiente mais úmido traz ainda os benefícios de lubrificação das narinas e das vias aéreas, embora seja preciso ter uma atenção especial nos dias e horários mais quentes, que podem dificultar a respiração, tornando a caminhada excessivamente cansativa.

A recomendação é fazer a caminhada sempre nos horários geralmente mais frescos, pela manhã ou no fim da tarde. Esse cuidado vale também pras caminhadas dentro da cidade. Nos dias mais secos, é melhor evitar as atividades ao ar livre e caminhar em lugares mais frescos ou cobertos, além de sempre oferecer muita água pra criança.

Uma boa dica pra quem está longe da praia é levar a criança pra caminhar e passear em parques e praças arborizadas, com melhor qualidade do ar e menos poluentes, como os gases de escapamento dos automóveis. As partículas de poeira e resíduos de poluição podem desencadear processos alérgicos e comprometer a qualidade da atividade física.

6. Corrida diária

Correr é uma das atividades preferidas de todas as crianças. Se houver colegas pra compartilhar dessa energia, então, praticamente toda a brincadeira vira uma correria só. E é possível usar essa boa disposição pra melhorar a saúde respiratória das crianças que sofrem com rinites, asmas e outras doenças que acometem as vias aéreas e os pulmões.

A corrida como esporte é indicada pra crianças a partir de cinco anos, quando elas já conseguem fazer corridas esportivas de até 400 metros, com pausas periódicas. Aos 10 anos, uma criança já é capaz de correr de 800 metros a cinco quilômetros em circuitos espaçados.

Apesar de ser uma modalidade competitiva, é importante que a prática seja colocada pra criança como um momento de convívio e de muita diversão, sem nunca passar pela pressão excessiva da competição.

Entre os principais benefícios da corrida, está o condicionamento cardiovascular, que, assim como nos adultos, contribui pra dar aos pequenos mais resistência e força pro bombeamento sanguíneo, o que, em crianças asmáticas e com doenças respiratórias, é essencial pra uma melhor oxigenação de todo o organismo.

A corrida promove, ainda, a melhora da absorção de glicose, reduzindo os riscos do desenvolvimento de diabetes; ajuda na manutenção do peso, prevenindo a obesidade; e intensifica a formação e a resistência óssea; além de facilitar a flexibilidade muscular, a agilidade, equilíbrio e coordenação motora. Todos esses ganhos são extremamente importantes pra saúde como um todo da criança, o que, sem dúvida, reflete na qualidade do seu sistema respiratório.

7. Yoga e psicológico

As crises respiratórias vêm acompanhadas de sintomas que causam grande angústia pra criança, como a falta de ar, a dor no peito e a tosse incessante. Esses episódios motivam um grande estresse e o medo desses sintomas, que podem desencadear ou mesmo piorar um ataque de asma, bronquite ou outra doença respiratória.

Por isso, tão importante quanto preparar o corpo da criança pra lidar com as crises é ajudá-la a se tranquilizar e manter a calma durante os acessos de dificuldade respiratória.

Uma prática de grande auxílio nessa tarefa é a yoga. Essa é uma atividade tranquila e que traz importantes exercícios de respiração, que contribuem, ao mesmo tempo, pro desenvolvimento do sistema respiratório infantil e também pro conhecimento do próprio corpo.

Com isso, a criança aprenderá a controlar a ansiedade, o que ajuda uma respiração correta, que será imprescindível pra abreviar a duração de uma crise.

A yoga oferece posturas psicofísicas, conhecidas como asanas, específicas pro desenvolvimento da capacidade respiratória. Essas posturas trabalham a expansão torácica associada à respiração e têm o objetivo de ajudar a criança a relaxar e controlar o estresse e a ansiedade causados pelos sintomas de doenças respiratórias.

Esses exercícios focados na respiração melhoram a capacidade dos pulmões, facilitando a expectoração do muco que se acumula no órgão e obstrui os brônquios, dificultando a saída do ar.

É comum que, nas crises respiratórias, a criança faça uso da musculatura do pescoço e peitoral pra ajudar na respiração, o que pode gerar alterações posturais.

A presença de doenças respiratórias, como rinites alérgicas e aumento da adenoide, estimula a respiração pela boca, na tentativa de facilitar a passagem do ar. Esse hábito, porém, provoca uma maior projeção da cabeça e da lordose cervical.

Essas alterações de postura comprometem o volume pulmonar, com efeitos diretos na capacidade vital forçada – que é o volume de ar que uma pessoa consegue expirar rápida e completamente após uma inspiração profunda máxima.

Como na prática de yoga há a necessidade de uma postura correta pra realização dos exercícios, essa é uma atividade que ajuda também na correção dessas distorções de postura devido ao ato incorreto de respiração.

Há, ainda, o foco direto dos exercícios respiratórios, uma vez que, pros praticantes de yoga, a respiração representa o fluxo de energia vital do corpo, e aprender a respirar, por isso, é um dos grandes objetivos dessa prática.

Pode parecer difícil conseguir que a criança fique quieta e se dedique a uma atividade de tranquilidade como a yoga. Mas alguns exercícios são bem simples e podem ser feitos em poucos minutos, o que permite aproveitar o tempo que seu filho consegue se concentrar.

Vale lembrar ainda que a prática de yoga também ajuda no desenvolvimento de habilidades cognitivas e de concentração, sendo muito indicada também pra crianças hiperativas. Assim, quanto mais a criança pratica os exercícios, mais fácil será estimulá-la a continuar a prática.

Confira alguns exercícios respiratórios que você pode fazer em casa com seu filho.

7.1. Aumento da capacidade dos pulmões

Esse exercício é feito durante um a três minutos. A criança deve se sentar em uma posição confortável, com as pernas cruzadas e a coluna ereta. Em seguida, ela deve colocar as mãos entrelaçadas na nuca, sob os cabelos.

Diga a ela pra inspirar bem fundo, levantando os cotovelos e levando-os pra trás. A cabeça deve ficar reta. Em seguida, ela deve expirar completamente enquanto encosta o queixo no peito e leva os cotovelos pra baixo, até se tocarem.

7.2. Limpeza da parte superior dos pulmões

Esse exercício também é feito entre um e três minutos. A criança deve sentar-se em uma postura confortável, com as pernas cruzadas e a coluna ereta. Os braços devem ficar afastados das laterais do corpo e paralelos ao chão. Os antebraços ficam virados pra cima, formando um ângulo de 90 graus. As mãos ficam espalmadas também pra cima com os dedos unidos.

A criança deve inspirar completamente esticando os braços em direção ao teto. Ao expirar ela deve retornar à postura inicial. O exercício é feito em movimentos rápidos.

7.3. Pra prevenir problemas dos pulmões

De joelhos, a criança deve inspirar erguendo as mãos acima da cabeça e batendo uma palma. Ao expirar, deve levar os braços pras laterais do corpo e lentamente bater palmas à frente do corpo. Esses movimentos devem ser repetidos durante um minuto.

8. Praticando com a bicicleta

A maioria das crianças adora andar de bicicleta. E essa é mais uma atividade que pode ser uma grande aliada no controle e prevenção das doenças respiratórias. Andar de bicicleta como atividade física regular traz os mesmos benefícios que a caminhada e a corrida, já que essas são atividades aeróbicas similares – e isso é ótimo pra variar os exercícios com seu pequeno.

Uma das vantagens da bicicleta em relação à corrida e à caminhada é que ela tem menor impacto sobre as articulações, já que o peso do corpo é mais bem distribuído quando se está sentado.

Além de trabalhar o equilíbrio e a postura, a prática do ciclismo fortalece a musculatura das pernas, promovendo maior resistência e aperfeiçoando o condicionamento físico como um todo. Tem ainda grandes benefícios pro sistema cardiovascular, melhorando a frequência cardíaca.

Como já falamos, um melhor condicionamento cardíaco facilita a oxigenação, o que traz maior qualidade respiratória pra criança.

É ainda uma atividade que reforça o sistema imunológico e ajuda a controlar a respiração – o que será essencial na prevenção e controle das crises e doenças respiratórias –, além de melhorar o sistema circulatório e fortalecer os ossos.

Como nas demais atividades, o ideal é buscar lugares arborizados e com boa qualidade do ar pra prática com a bicicleta. Horários mais quentes e dias mais secos devem ser evitados, já que podem dificultar a respiração.

9. Conclusão

Alguns profissionais de saúde veem a prática de atividades físicas por crianças com problemas respiratórios com muita cautela. No entanto, são inegáveis os benefícios que essas atividades e as práticas esportivas trazem pra prevenção e tratamento das doenças respiratórias, melhorando a qualidade de vida das crianças.

Pra não comprometer a saúde do seu filho, é indispensável que todo e qualquer exercício físico seja orientado e acompanhado por profissionais qualificados.

Antes de matricular seu filho em atividades como natação e judô ou iniciar qualquer outro exercício físico, fale com o pediatra, pra que ele possa avaliar a saúde da criança e fazer as recomendações adequadas de acordo com capacidade pulmonar e condições clínicas.

Com esses cuidados, será possível aproveitar todos os benefícios que a prática de atividades físicas traz na melhoria da capacidade respiratória da criança e no fortalecimento do seu sistema imunológico.

Agora que você já sabe o que fazer pra melhorar o controle de doenças respiratórias do seu filho, leia também nosso post sobre a importância da atividade física pro desenvolvimento infantil e veja quais doenças podem ser prevenidas com a prática de exercícios físicos! Você também vai conhecer todos os benefícios que hábitos saudáveis trazem pra saúde do seu filho!

5 atividades físicas que ajudam a controlar doenças respiratórias na criança
5 (100%) 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *