Os 7 alimentos que aumentam a imunidade das crianças

Todos nós sabemos que alimentação é um assunto muito sério. Isso não impede, no entanto, de cairmos em tentação e colocarmos em nossos pratos uma série de guloseimas e comidas que não contribuem com absolutamente nada para nossa saúde e nosso bem-estar. Esse é um grande erro: existem pelos menos cinquenta nutrientes que são essenciais ao ser humano, e, infelizmente, não há um tipo de alimento que, sozinho, forneça tudo aquilo que o nosso organismo necessita.

Por essa razão, manter uma dieta balanceada desde que nascemos é essencial. O lado bom dessa história é que, com algum conhecimento de causa, isso é mais fácil do que parece: qualquer pessoa pode aprender a equilibrar seu plano alimentar e conseguir, dessa maneira, uma existência mais proveitosa e saudável. O ideal é, desde que a mãe começa a introduzir alimentos sólidos na dieta do bebê, já fazer as melhores escolhas.

Sabemos que crianças são mais suscetíveis a um grande número de doenças e que seu sistema imune não está completamente maduro para enfrentar infecções e parasitas. Os nutrientes têm várias funções para eles: ajudam a crescer, fornecem energia e deixam nossos filhos mais fortes. Com as alternativas mais protetoras, podemos usar a alimentação infantil para aumentar a imunidade e deixar nossos pequenos longe de problemas.

Quer descobrir quais atitudes você deve tomar, quais você deve evitar e conhecer os 7 alimentos que ajudam as defesas imunológicas das crianças? Então não deixe de ler o artigo que preparamos para você. Confira:

Uma alimentação balanceada

Podemos pressupor que o primeiro passo para beneficiar a saúde infantil e aumentar a imunidade dos nossos filhos seja uma alimentação balanceada, não é verdade? No entanto, embora o conceito pareça muito simples, muitas pessoas não compreendem ao certo como montar uma dieta adequada, natural e completa. Em linhas gerais, bastaria cumprir um requisito básico: suprir todas as necessidades do organismo. E, para quem quer ganhos extras, incluir no plano alimentar uma série de alimentos que demonstram ter uma ação ainda mais benéfica para o metabolismo humano pode ser uma ótima ideia!

As bases biológicas de uma alimentação balanceada são certeiras: é preciso incluir bons carboidratos (para que os pequenos tenham toda a energia possível para brincar); temos que oferecer proteínas (pois elas são responsáveis pela construção, manutenção e crescimento dos tecidos e músculos); boas gorduras (para produção de hormônios, revestimento das membranas celulares e reserva energética); além de vitaminas e minerais (fundamentais para diversas reações, produção de enzimas e muito mais). Por fim, não podemos esquecer de um item muito comum, mas que por vezes é sonegado: a água! O organismo das crianças é menos resistente a alterações e mantê-lo hidratado é primordial.

Vale lembrar que muitos alimentos podem ser usados para a prevenção de doenças específicas ou para melhorar alguns aspectos da saúde: são os chamados alimentos funcionais. Abaixo você vai conhecer alguns dos principais deles e entender melhor suas funções e como eles podem contribuir para uma saúde infantil de ferro!

1. Vegetais verdes

Não é nenhuma novidade que vegetais verdes fazem bem para o organismo e que são fundamentais para uma alimentação balanceada, mas o que poucas pessoas sabem é que eles podem ser muito importantes também para aumentar a imunidade. Especialmente espinafre, escarola, couve, brócolis, alface, repolho e alguns outros vegetais são ricos em ácido fólico, que auxilia na formação dos glóbulos brancos, responsáveis por boa parte da nossa resistência imunológica.

De acordo com diversos estudos, a ingestão desses alimentos conserva melhor as células de defesa do intestino, que é um dos principais canais de entrada de agentes patogênicos no corpo de crianças, que tendem a colocar a mão suja e objetos diversos na boca. Quem não possui boas quantidades de vegetais verdes em seu plano alimentar fica mais vulnerável a infecções e lesões, além de ter uma recuperação mais lenta.

Embora esses alimentos não sejam campeões de sabor na preferência dos pequenos, você pode adotar algumas táticas para que sejam ingeridos mais facilmente. Misturar com arroz, por exemplo, é uma boa estratégia, especialmente para o brócolis. Bater junto ao feijão também funciona, pois o gosto fica quase imperceptível e isso serve para quase todos os vegetais verdes. Tortinhas de carne moída com vegetais mistos também são bem palatáveis. Além de tudo, pode ser uma boa ideia acrescentar couve no suco de acerola ou laranja, pois a vitamina C presente se une ao ácido fólico e potencializa a defesa imunológica.

2. Frutas ricas em vitamina C

Quando o frio bate, chega também a onda de resfriados, gripes e diversas outras patologias respiratórias. O clima seco, as oscilações de temperatura e os ambientes fechados acabam com a resistência dos pequenos e é comum vermos narizes escorrendo, tosses constantes ou então aquele indesejável vai e vem das conhecidas viroses. Mas calma: existe uma solução!

As frutas ricas em vitamina C, também chamadas de frutas cítricas, são essenciais para aumentar a imunidade e promover a saúde infantil. Entre elas estão a laranja (umas das favoritas dos pequenos), o kiwi, a acerola, o limão, a goiaba, a tangerina, o pomelo, a lima-da-pérsia, entre outras deliciosas opções. Comer frutas todos os dias é uma recomendação quase unânime entre médicos e nutricionistas, especialmente pelo seu alto poder de prevenir doenças. Você pode adicioná-las nas refeições dos seus filhos através de sucos, vitaminas e até temperos, pois justamente o ácido cítrico que garante a elas seu sabor ácido característico pode dar um toque todo especial em saladas, carnes, sobremesas e muito mais.

Os principais benefícios, obviamente, são por conta da famosa vitamina C. Ela é um potente antioxidante, ou seja, tem o poder de evitar a ação dos temíveis radicais livres, que oxidam as células, enfraquecem o corpo e deixam o organismo menos preparado para a ação de agentes invasores. Esses frutos também costumam conter quantidades significativas de vitamina A, flavonoides e potássio, nutrientes bem importantes para o bem-estar.

Um outro acrescimento das frutas cítricas para a saúde infantil é que a maior parte delas possui um percentual significativo de água em sua composição, ou seja, elas ajudam na hidratação do corpo dos pequenos. Também são ricas em fibras, especialmente quando comidas inteiras, que funcionam facilitando a digestão (sendo perfeitas para crianças com prisão de ventre) e a absorção de minerais como o ferro, reduzindo as chances de problemas como a anemia.

3. Sementes e leguminosas

As sementes (castanha de caju, castanha do Pará, nozes, amêndoas, sementes de girassol, chia, linhaça, entre outras) e leguminosas em geral (feijão, ervilhas, lentilha, grão de bico, etc.), além de serem uma delícia, são essenciais para aumentar a imunidade e promover uma alimentação balanceada. Todas elas são ricas em zinco, um mineral que tem papel fundamental para a defesa do organismo dos pequenos e na prevenção de gripes, resfriados e outas doenças.

Essas poderosas sementes, por sua vez, também possuem boas quantidades de vitamina E, que é um outro potente antioxidante que auxilia no combate aos radicais livres e favorece o fortalecimento do sistema imunitário. Também são fontes das famosas gorduras ômega 3 e ômega 6 que melhoram a resposta imunológica e a saúde como um todo. Incluir castanhas de caju ou nozes na lancheira, dependendo das preferências da criança, pode ser um bom começo. Já as leguminosas são mais fáceis de serem inseridas no plano alimentar. Podem ser batidas no liquidificador, sendo servidas como “sopinhas”, especialmente o feijão e a lentilha. As ervilhas, por sua vez, podem ser colocadas normalmente no prato e muitas crianças gostam de saboreá-las uma a uma!

4. Gengibre

As culturas orientais, especialmente na China, já conhecem os benefícios do gengibre para o sistema imunológico há muitos séculos. No entanto, pelos lados de cá, muita gente ainda não sabe o quão poderosa é essa especiaria para fortalecer o sistema imune. Com potente ação bactericida e rica em nutrientes como a vitamina C e a vitamina B6, essa raiz ajuda a aquecer o corpo (tem ação termogênica e pode ser muito positiva para aqueles dias frios onde as crianças mal querem levantar da cama) e deixa nossas defesas muito mais preparadas para combater agentes nocivos.

Como os pequenos são mais suscetíveis a doenças respiratórias e a infecções de garganta (que podem trazer sérias consequências como a febre reumática e a endocardite), incluir o gengibre nas refeições é uma excelente escolha. No entanto, para conseguir fazer isso da melhor forma, é preciso parcimônia: o sabor pronunciado e ardido não costuma cair na graça das crianças. Portanto, boas ideias são utilizá-lo de maneira discreta no tempero de pratos salgados e até de sobremesas. Outra alternativa é acrescentá-lo em sucos, como o de laranja ou de limão (ficam uma delícia) ou preparar uma água aromatizada, inserindo algumas raspas pequenas e servindo para seus filhos. Mais uma vez, tome cuidado com a quantidade que vai colocar: gengibre tem sabor forte e picante!

5. Peixes

Muitos adultos amam frutos do mar e comem sempre que possível, mas é preciso compreender que os peixes também precisam fazer parte de uma alimentação infantil saudável e completa. Praticamente todas as espécies são melhores do que outros tipos de carne, como as gordurosas alternativas bovinas e suínas. Mas lembre-se que devem ser preparados adequadamente: grelhados, assados ou cozidos e não fritos em óleo!

As melhores opções certamente são aquelas que possuem maiores quantidades de ômega 3. São elas o salmão (o campeão em concentração desse ácido graxo), o atum, a cavalinha, o arenque, o linguado, o bacalhau e a popular e barata sardinha (segunda colocada na concentração do ômega 3). São deliciosos para o nosso paladar, mas temos que adaptá-los para os pequenos: os filés certamente são as melhores alternativas, pois não possuem espinhas e evitam o risco de filhos engasgados! Uma boa ideia é servi-los como iscas, pois assim a criança come sem nem perceber.

O grande benefício do famoso ômega 3 é sua capacidade anti-inflamatória, que ajuda na imunidade do corpo, fortalecendo as defesas. Também são excelentes para o coração, pois reduzem os níveis de colesterol ruim e evitam a formação de coágulos no sangue. Além do sistema cardiovascular, essas boas gorduras regulam a pressão arterial e são proveitosas para a visão, pois participam ativamente do recobrimento da retina, que transforma o estímulo luminoso em elétrico, para o cérebro ser capaz de enxergar.

Falando em cérebro, o ômega 3 também é essencial para seu funcionamento! Ele participa da formação da bainha de mielina, que recobre os neurônios e facilitam a comunicação entre as células cerebrais, melhorando o desempenho cognitivo. Por fim, estudos mostram que a ingestão também previne o surgimento da síndrome metabólica e da obesidade, além de melhorar a sensibilidade à insulina, regulando melhor o açúcar no sangue e evitando o diabetes. O resultado? Filhos muitos mais espertos e saudáveis!

6. Tomate

Uma das grandes vantagens do tomate na alimentação infantil é que essa fruta – sim, o tomate é considerado uma fruta – é extremamente versátil. Com sabor agradável, ele vai bem em saladas, molhos, sopas, caldos, sanduíches e muito mais. Um ponto positivo é exatamente o ketchup: as crianças amam e, ao contrário do que muitos pensam, esse molho mantém elevadas as quantidades de licopeno (umas das substâncias benéficas do tomate) e pode ajudar a aumentar a imunidade. Apenas não exagere, pois ele também possui conservantes e sódio.

Falando em licopeno, ele é um potente antioxidante. E antioxidantes, como já dissemos, combatem os temidos radicais livres, que destroem as células e deixam as defesas das crianças mais frágeis. Além disso, essa substância parece ser essencial na manutenção dos ossos, porque ajudam a prevenir o seu estresse oxidativo (o que é excepcional para quem está em fase de crescimento). Mas isso não é tudo!

Os tomates também possuem vitamina A, que é ligada à saúde dos olhos e reduz os riscos de degeneração macular, e vitamina C, comprovadamente positiva para evitar gripes, resfriados e doenças respiratórias em geral. Há ainda o mineral cromo, que ajuda a regular os níveis de açúcar no sangue, prevenindo obesidade e diabetes.

7. Alho

O alho é muito utilizado na culinária brasileira, mas pouca gente sabe que ele pode ser um forte aliado da imunidade em uma alimentação balanceada. Considerado um antibiótico natural, ele é rico em alicina, um aminoácido que ajuda na defesa do organismo. Além disso, possui excelentes doses de outros nutrientes, como vitamina C, selênio e zinco, que como já dissemos são essenciais principalmente para evitar gripes, resfriados e outras doenças respiratórias. Por fim, vale dizer que é um poderoso digestivo e regula a acidez estomacal, além de proteger o fígado e a vesícula.

Para que seus filhos aproveitem todas as vantagens que o alho pode oferecer, o ideal é que ele seja consumido na versão crua, pois o processo de cozimento reduz bastante suas propriedades. Uma boa alternativa é picar, amassar ou triturar, deixando por 10 minutos de descanso antes do consumo. Ele vai bem na salada, em molhos ou sanduíches. Carnes, peixes e frango também casam perfeitamente com seu sabor. Uma maneira de facilitar a assimilação de seus princípios ativos é dissolvendo em um pouco de azeite de oliva extra virgem. Se seus pequenos não gostarem do gosto ou do odor que ele deixa, o suco de limão ajuda a resolver esse problema de forma saudável e saborosa!

Erros comuns da alimentação infantil

Mesmo conhecendo bem os alimentos funcionais que ajudam a manter a saúde dos pequenos em dia, muitos pais acabam cometendo alguns erros comuns da alimentação infantil. Não se sinta culpado: com um pouco mais de informação, dá para evitá-los e deixar seus filhos com uma saúde de ferro!

Uma das maiores mancadas é tentar fazer a criança comer tudo o que está no prato. Precisamos lembrar que o organismo da meninada, mesmo em crescimento, precisa de menor quantidade de comida do que o de um adulto. Para não pecar por excesso, confie neles: o ideal é a própria criança se servir ou demonstrar aos responsáveis quando já é o suficiente. E, se eles ainda sentirem fome, deverão pedir mais.

Outro problema que ocorre muito, especialmente em dias corridos como os de hoje, é comer vendo televisão, mexendo no celular ou, por incrível que pareça, jogando vídeo games. É preciso ensinar desde cedo a importância de valorizar a refeição e ficar à mesa pelo tempo necessário para mastigar bem. Quando seus filhos se distraem com outras coisas, o sistema nervoso fica mais atento à outra atividade e, como consequência, eles não mastigam adequadamente, não sentem direito o paladar e acabam comendo mais do que precisam.

Por fim, vale lembrar o ditado: “filho de peixe, peixinho é”! De nada adianta você ter muito conhecimento de causa se, na hora de dar o exemplo, acabar optando por pizzas, hambúrgueres e refrigerantes. Você deve incentivar o consumo de alimentos funcionais em conjunto com as crianças, introduzindo essa nova atitude na rotina familiar como um todo. Dessa maneira, a molecada cresce naturalmente, comendo bem e você terá muito menos trabalho de passar as informações que aprendeu para o plano alimentar dos seus pequenos.

Dicas para aumentar a imunidade dos seus filhos

Como vimos, os alimentos são essenciais para aumentar a imunidade dos seus filhos e deixá-los com uma saúde de ferro. No entanto, nem só do plano alimentar vive o organismo: existem uma série de atitudes que, quando tomadas, contribuem para manter as doenças afastadas e as infecções à distância!

Tudo começa com o leite materno: médicos e especialistas recomendam que ele seja exclusivo até os 6 meses de idade e que, nesse período, os pais comecem a introduzir progressivamente alguns alimentos nas refeições do bebê. E, já nessa fase, os benefícios podem começar a ser plantados: ao invés de investir em produtos industrializados como papinhas prontas, que tal oferecer pequenas quantidades de frutas, legumes e verduras? Se o pequeno não gostar, vá substituindo por alternativas de valor nutricional semelhante, pois elas irão contribuir para suprir a necessidade diária de vitaminas, minerais e nutrientes, fortalecendo o organismo e contribuindo para um crescimento muito mais saudável.

Os pais também não podem esquecer do calendário de vacinas: elas são primordiais para afastar uma série de doenças gravíssimas. Os postos de saúde e profissionais de medicina podem ajuda-lo nesse aspecto, pois sabem ao certo quando e como cada dose deve ser tomada. Leve seus filhos nas datas certas para dar uma força extra ao sistema imunológico. Se por acaso você se atrasar para alguma injeção, converse com o pediatra da criança e vacine tão logo seja possível.

Tente também manter a casa livre do tabagismo ou ao menos faça isso nos ambientes mais frequentados pelos pequenos. Os malefícios do fumo passivo são muito maiores do que a maioria das pessoas imagina e os estudos demonstram que as crianças que convivem com adultos que fumam apresentam números muito maiores de patologias como asma, bronquite, pneumonias e infecção de ouvido. E não adianta apenas não fumar quando seus filhos estiverem presentes: as toxinas dos cigarros ficam entranhadas em cortinas, toalhas, sofás, lençóis e outros objetos, podendo contaminar a molecada do mesmo jeito.

Por fim, incentive a criançada a praticar atividades físicas, especialmente ao ar livre e sob a luz do sol (que ajuda a fortalecer os ossos). Não importa muito qual o exercício: jogar futebol, andar de bicicleta, correr na praia, pular corda ou brincar de pique. O fundamental é que eles contribuem para aumentar o número de células de defesa e auxiliam no combate a infecções e diversas patologias. A prática regular de atividades também contribui para a socialização, pois geralmente são feitas com os amiguinhos. Elas também são primordiais para o desenvolvimento da musculatura e o aumento da flexibilidade, ajudando a controlar os quilinhos a mais e evitando diversos problemas, especialmente sobrepeso e obesidade. Apenas garanta que tudo seja feito com moderação e sem exageros, para evitar machucados e lesões.

Como podemos ver, uma alimentação balanceada certamente poderá ajudar a aumentar a imunidade dos seus filhos e também manterá a saúde dos pequenos em dia por muito mais tempo. Com as escolhas certas no cardápio, você pode montar um plano alimentar delicioso, que permitirá que as crianças comam com toda satisfação e obtenham os nutrientes necessários para crescerem da melhor maneira.

E então, está esperando o quê? É mais fácil do que parecia, não é verdade? Não perca mais tempo: aproveite seus conhecimentos, mude os hábitos da sua família e deixe a molecada forte, saudável e longe das doenças!

Os 7 alimentos que aumentam a imunidade das crianças
5 (100%) 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *