Conheça melhor cada função e quais são as reações da vacina infantil.

As reações da vacina infantil são mais comuns do que imaginamos ou sabemos.

Desde o nascimento até a vida adulta, as vacinas estão presente na vida do ser humano.

As vacinas infantis são responsáveis por evitar o desenvolvimento de doenças infecciosas.

Dessa forma, protegem o organismo contra esses seres vivos.

Assim que nasce a criança recebe o cartão de vacinação.

Além dos dados importantes do nascimento, o cartão de vacinação informa também datas e a relação de vacinas que a criança precisa tomar ao longo da vida.

A maioria das vacinas infantis podem trazer reações a criança.

As reações da vacina infantil são comuns. Febre, irritação e corisa são apenas alguns dos sintomas.

Muitas vezes a maioria dos pais não sabem como tratar das reações da vacina infantil.

Pensando assim, separamos algumas dicas que podem ajudar a aliviar as reações da vacina infantil.

Saiba quais as principais vacinas infantis.

Ao todo, são nove tipos de vacinas obrigatórias, aplicadas em doses e reforços que variam de acordo com a idade.

Como são muitas vacinas, é necessário que o esquema de vacinação de cada criança seja bem acompanhado por um ou mais profissionais da saúde.

Ao nascer, as primeiras vacinas que um bebê toma é a BCG, contra a tuberculose, e a vacina contra a hepatite B.

A BCG vem em apenas uma dose e deve ser feita antes de a criança completar um mês.

A primeira dose da vacina contra hepatite B deve ser tomada ao nascer, a segunda dose com um mês de idade, e a terceira, com seis meses.

Aos dois meses de idade o bebê deve tomar a primeira dose das vacinas Tetravalente (DPT+Hib),  Vacina oral poliomielite (VOP) e Vacina pneumocócica 10 (conjugada).

Aos três meses, deve ser dada a vacina meningocócica C (conjugada), contra meningite.

A segunda dose deve ser recebida aos cinco meses; e o reforço, com um ano e três meses.

A primeira dose da vacina que previne a febre amarela deve ser aplicada quando a criança tiver completado nove meses de vida.

Ela deverá ser dada novamente aos dez anos de idade, repetindo a aplicação a cada dez anos.

Lembrando que essa doença é causada pela picada de mosquito Aedes Aegypti: o mesmo que causa a dengue, a Zika e febre Chikungunya.

Se o inseto picar uma pessoa infectada e depois outra pessoa saudável, que não tenha sido vacinada, poderá contaminá-la.

No primeiro ano de vida a criança, ainda receberá a primeira dose da tríplice viral (SCR).

A segunda dose deve ser dada aos quatro anos de idade.

Saiba para que serve e quais são as reações da vacina infantil.

De acordo com o calendário Nacional de vacinação divulgado pelo Ministério da saúde, desde o nascimento até a fase adulta existem vacinas para combater a diversas doenças.

Conheça algumas das principais vacinas infantis e as reações que podem causar.

  • Vacina BCG: A vacina BCG vem em apenas uma dose e deve ser feita antes de a criança completar um mês. Previne formas graves de Tuberculose (Meningite tuberculosa, Tuberculose Miliar ou Sistêmica).

Pode apresentar pequenas erupções no local da vacina. Não é recomendado que se mexa no ferimento e não se retire a “casquinha” na hora do banho.

  • Tetravalente (DPT+Hib): combate doenças como difteria, tétano, coqueluche, meningite e alguns tipos de gripe. Uma nova dose deve ser dada aos quatro meses de idade e outra, aos seis. Mais tarde, com um ano e três meses, a criança deve receber a primeira dose do reforço da DPT, e a última dose aos quatro anos.

A vacina Tetravalente pode apresentar reações como  febre, dor e carocinho no local nas primeiras 48 horas depois.

No caso de febre acima de 38º é recomendado o uso antitérmicos.

No local da vacina fazer compressas de gelo sem massagear.

  • Vacina oral poliomielite (VOP): contra a poliomielite, também chamada de paralisia infantil. Uma nova dose deve ser dada aos quatro meses de idade e outra, aos seis. Mais tarde, com um ano e três meses, a criança deve receber o reforço.

No caso da vacina contra poliomielite a reação é o surgimento de diarréia. Que pode ser tratada sem medicação se não for intensa

  • Vacina oral de rotavírus humano (VORH): contra a diarreia provocada por um micro-organismo chamado rotavírus. Uma nova dose deve ser dada aos quatro meses de idade.

A vacina do rotavírus não apresenta reação. O cuidado deve ser ao descartar as fezes da criança, pois após a vacina é eliminado vírus vivo através das fezes. O não cuidado no descarte pode levar a uma contaminação.

  • Vacina pneumocócica 10 (conjugada): contra a pneumonia, meningite, otite e algumas outras doenças. Uma nova dose deve ser dada aos quatro meses de idade e outra, aos seis. Mais tarde, com um ano de idade, a criança deve receber o reforço

Na vacina pneumocócica pode surgir dor no local da vacina e febre.

Em casos de febre acima de 38º deve – se usar antitérmicos

  • Vacina tríplice viral (SCR): previne o sarampo, a caxumba e a rubéola.

A vacina da tríplice pode apresentar reações como coriza e febre baixa.

O recomendado é em casos de febre acima de 38º, usar antitérmicos e compressas frias.

  • Hepatite B: Previne contra: Hepatite B. A primeira dose da vacina contra hepatite B deve ser tomada ao nascer, a segunda dose com um mês de idade, e a terceira, com seis meses.

Reações mais comuns da vacina da Hepatite B são febre e raramente dor no local da vacina.

Febres acima de 38º deve – se usar antitérmicos. Aplicar compressas geladas no local.

  • Vacina meningocócica:  Previne a meningite. A primeira dose deve ser dada aos três meses. A segunda dose deve ser recebida aos cinco meses; e o reforço, com um ano e três meses.

A vacina contra a meningite pode  apresentar reações como dor no local da vacina e febre. Febres acima de 38º deve – se usar antitérmicos. No caso de dor ou inchaço no local, fazer compressas frias.

 

Agora que você já conhece um pouco mais sobre as reações da vacina infantil pode ficar mais atento às vacinas dos pequenos.

No caso da criança apresentar reações mais fortes do que o normal o recomendado é que o Pediatra seja consultado de imediato

É de extrema importância que todas as vacinas estejam em dia.

Dessa forma a criança estará protegida de qualquer possível doença que venha a surgir.

As vacinas não eliminam por completo a possibilidade da criança contrair um vírus ou bactéria. Porém, ao tomar as vacinas corretamente, estará mais forte e com maior vantagem em combater quaisquer um desses vírus.

Conheça melhor cada função e quais são as reações da vacina infantil.
Gostou desta matéria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *