Entenda um pouco mais sobre o aborto espontâneo

O aborto espontâneo é a perda de uma gravidez antes da 20 ª semana. A maioria dos abortos espontâneos ocorre porque o feto não está se desenvolvendo normalmente.

Aborto espontâneo ainda é um assunto pouco abordado.

O que não se sabe é que muitas mulheres estão sujeitas a sofrer um aborto espontâneo em qualquer fase da vida e durante toda gestação.

Porém, até a 20° semana de gestação o risco do aborto espontâneo é maior.

Aborto espontâneo é a complicação mais comum da gravidez precoce.

O risco para mulher diminui com o aumento da idade gestacional.

Em dados divulgados pelo Ministério da saúde, de 8 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas com menos de 20 semanas de gestação sofrem aborto espontâneo, sendo 80% destes nas primeiras 12 semanas de gestação.

Há ainda a perda do bebê sem que a mulher perceba, que totalizam entre 13 e 26% de todas as gestações.

No entanto, esse número pode ser ainda maior, uma vez que muitas mulheres podem sofrer um aborto espontâneo antes de perceber que estão grávidas.

Com bases nessas informações separamos algumas dicas para entender melhor as causas e sintomas do aborto espontâneo.

Quais as causas e fatores de risco para o aborto espontâneo?

O aborto espontâneo acontece quando uma gravidez termina antes que o feto tenha atingido uma idade gestacional viável. A Organização Mundial de Saúde (OMS) define o acontecimento como a expulsão de um embrião ou feto pesando 500 g ou menos.

Apesar das causas do aborto espontâneo muitas vezes serem difíceis de determinar,

vários fatores de risco estão associados às causas de um aborto espontâneo como:

 

  • Idade

 

A idade materna avançada é o fator de risco mais importante para o aborto espontâneo em mulheres saudáveis.

A Sociedade Brasileira de Obstetrícia e Ginecologia informa que o efeito da idade materna sobre o resultado da gravidez foi ilustrado em uma revisão de mais de um milhão de gestações.

A taxa global de aborto foi de 11%. A frequência aproximada de abortos clinicamente reconhecidos de acordo com a idade materna é:

entre 20 a 30 anos – 9 a 17%

35 anos – 20%

40 anos – 40%

45 anos – 80%

 

  • Fumar

 

O tabagismo pesado (mais de 10 cigarros por dia) está associado a um aumento do risco de perda do bebê, mas o mecanismo não é conhecido. Tabagismo do parceiro também pode aumentar o risco de perda da gravidez. Parar de fumar deve ser recomendado para seus benefícios de saúde em geral.

 

  • Consumo de álcool

 

Estudos observacionais, em geral, têm informado – mas não de forma consistente – que a ingestão moderada ou alta de álcool aumenta o risco de aborto. Como exemplo, em um estudo houve um aumento do risco de aborto em mulheres que bebiam mais de três drinques por semana nas primeiras 12 semanas de gravidez.

 

  • Anti inflamatórios não-hormonais

 

O uso de anti inflamatórios não-hormonais pode estar associado a um risco aumentado de aborto espontâneo. O mecanismo proposto é que esses anti inflamatórios agem como inibidores das chamadas prostaglandinas, que desempenham um importante papel na implantação do ovo ao útero no início da gestação, portanto, potencialmente levando a uma implantação anormal. Embora os dados sejam escassos, é razoável sugerir que as mulheres que estão tentando engravidar devam considerar evitar uso de anti inflamatórios não esteróides para minimizar o risco de aborto.

 

  • Consumo de cafeína

 

Estudos controlados têm relatado uma associação entre consumo de cafeína e o aborto espontâneo, principalmente em níveis elevados de consumo. No entanto, esses estudos têm múltiplas limitações, pois o mecanismo para o aumento da taxa de aborto com a ingestão de cafeína pode estar relacionado ao metabolismo materno em relação às substâncias da bebida.

 

  • Fatores maternos

 

Anomalias uterinas congênitas ou adquiridas, como, por exemplo, septo uterino, podem interferir com a implantação ideal, crescimento e impedimento da gravidez e. Infecção materna aguda, como, por exemplo, a herpes, pode levar ao aborto. Endocrinopatias maternas, como, por exemplo, a disfunção da tireóide, podem contribuir para um ambiente de acolhimento abaixo do ideal. Um estado de hipercoagulabilidade devido à trombofilia hereditária ou adquirida e anormalidades do sistema imune que levam à rejeição imunológica ou ao dano placentário são áreas ativas de investigação.

Aborto espontâneo pode apresentar sintomas?

Sim. Como já foi mencionado, existem casos onde a mulher sofre o aborto espontâneo sem saber que estava grávida. Mas, na maioria dos casos de aborto espontâneo a mulher pode apresentar sintomas que não devem ser ignorados.

Entre alguns sintomas que o aborto espontâneo pode apresentar, Os principais sintomas são:

  • Febre e calafrios;
  • Corrimento vaginal com mau cheiro;
  • Perda de sangue pela vagina, que pode começar com uma cor amarronzada;
  • Dor abdominal forte, tipo uma intensa cólica menstrual;
  • Perda de líquidos pela vagina, com ou sem dor;
  • Perda de coágulos de sangue pela vagina;
  • Dor de cabeça intensa e constante;
  • Ausência de movimentos fetais por mais de 5 horas.

Existem ainda algumas situações que podem levar ao aborto espontâneo e podem começar de uma hora para outra sem causa aparente. A má formação fetal, consumo exagerado de bebidas alcoólicas ou drogas, traumatismo na região abdominal, infecções e doenças como diabetes e hipertensão, quando não são devidamente controladas durante a gestação são algumas causas como já definido anteriormente.

O que fazer após sofrer um aborto espontâneo?

Após sofrer um aborto espontâneo, a mulher deverá passar por um tratamento médico que verifica se ainda há vestígios do embrião dentro do útero e, caso isto aconteça, uma curetagem deverá ser realizada.

O médico poderá indicar que a mulher tome medicamentos que provocam a saídas dos restos embrionários ou poderá realizar uma cirurgia para retirada do feto imediatamente.

O aborto é uma experiência relativamente comum, mas isso não faz com que seja fácil. Pode ser necessário suporte psicológico para superar a perda do bebê. Por isso é muito importante que haja um acompanhamento médico especializado, dessa forma a mulher se sente mais segura, saudável e preparada para uma nova gravidez

Entenda um pouco mais sobre o aborto espontâneo
Gostou desta matéria?

  2 comments for “Entenda um pouco mais sobre o aborto espontâneo

  1. Rosa
    15/08/2017 at 19:45

    Aqui em Salvador, qual o médico do hapvida é especialista em aborto de repetição, pois até o momento não encontrei nenhum que pudesse me dá uma orientação.

    • mikaely Monte
      16/08/2017 at 11:23

      Ola Rosa, bom dia.

      Você pode entrar em contato diretamente com o Hapvida pelo numero 4002-2870 ou através do site hapvidaplanos.com.br para marcar e confirmar consultas/exames.
      E para mais informações é só ligar no número: 0800 280 91 30.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *