O que é o teste do pezinho e por que seu filho precisa disso?

Uma das maiores alegrias da vida de uma mulher, se não a maior, é ter um filho. Depois de longos meses de espera e muita ansiedade, finalmente chega o momento único de ter o bebê em seus abraços e dar todo o carinho que o pequeno merece.

A partir daí, é só alegria, não é mesmo? Com certeza. Mas junto a criança, também vem as responsabilidades. Principalmente, quando o assunto se refere à saúde do recém-nascido e todas as precauções que os pais devem ter para que ele cresça feliz e cheio de energia.

Para isso, o bebê deve ser submetido à vários exames para saber se ele nasceu sem nenhuma doença e então acompanhar de perto seu desenvolvimento. É nessa hora que entra o famoso teste do pezinho. Conheça agora todas as informações necessárias sobre o processo, como ele funciona e todas as doenças que ele pode detectar.

Como funciona o exame?

Obrigatório para todos os recém-nascidos do país, o teste do pezinho (ou triagem neonatal), consiste em um pequeno e rápido exame no qual os médicos colherão algumas gotas de sangue do calcanhar do bebê com uma picadinha.

Com isso, uma série de doenças podem ser detectadas e tratadas logo no início, seja doenças hereditárias passadas pelos genes dos pais, como também aquelas transmitidas pela mãe ainda no período de gravidez.

Alguns se perguntam o porquê do teste ser feito no calcanhar, e não em uma outra parte do corpo. A resposta é simples: por ser um local altamente vascularizado (cheio de vasos sanguíneos), a coleta pode ser feita de maneira rápida (aproximadamente 2 minutos) e, portanto, o procedimento se torna quase indolor.

Embora não apresente contraindicações, a criança deve ser amamentada 2 horas antes do processo de forma que ela esteja nutrida e forte. O exame deve ser feito no dia do nascimento da criança podendo, em alguns casos, ser repetido periodicamente conforme orientação médica.

Quais doenças o teste do pezinho pode identificar?

O teste do pezinho é obrigatório justamente pelo número de doenças que ele pode detectar, indicando aos médicos e aos pais qual medida tomar. No entanto, o exame é dividido em dois tipos de triagem, a Básica e a Completa.

A primeira é realizada em todos os hospitais do país, incluindo os públicos através do Sistema Único de Saúde (SUS), sendo feita de forma gratuita. Já a segunda é realizada por hospitais particulares, estando incluída no pagamento ou sendo coberta pelo plano de saúde. Conheça a seguir as principais doenças que os métodos podem identificar:

Triagem Básica

Anemia falciforme: transmitida de forma hereditária, a anemia falciforme é conhecida por deixar as hemácias (glóbulos vermelhos) do nosso sangue na forma de meia-lua ou foice, daí o nome. Isso pode comprometer seriamente a oxigenação do organismo e em casos mais graves, levar a morte.
Hipotireoidismo congênito: o mau funcionamento da glândula tireoide ocasiona uma produção baixa de hormônios indispensáveis para o crescimento da criança. A falta desse hormônio pode acarretar problemas no sistema nervoso: mentais e intelectuais.
Fenilcetonúria: doença de caráter exclusivamente genético e, portanto, hereditário. A criança que apresentar a fenilcetonúria não possui uma enzima que é essencial para o metabolismo de um aminoácido específico, a fenilalanina. Esse composto é encontrado em diversos alimentos e se não for absorvido corretamente pelo organismo pode provocar distúrbios no sistema nervoso da criança.
Fibrose cística: outra doença genética, a fibrose cística consiste no transporte incorreto de sódio e cloro por meio das células, produzindo uma substância pegajosa que entope os pulmões e causam alterações no pâncreas e no processo digestivo.
Hiperplasia adrenal congênita: consiste em uma série de doenças nas glândulas suprarrenais (localizada nos rins). As pessoas infectadas produzem hormônios de forma incorreta e desordenada, principalmente, aqueles que atuam na puberdade de meninos e meninas, causando algumas mudanças físicas no organismo do doente de forma prematura e exagerada.
Triagem Completa

Deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD): de nome comprido e difícil, a carência dessa enzima pode causar o mau funcionamento dos glóbulos vermelhos, provocando sua autodestruição. Esse processo pode levar à anemias de níveis leves à graves.
Toxoplasmose congênita: doença transmitida pela mãe ao feto no período de gravidez, a toxoplasmose é causada pela ingestão de carnes cruas ou mal passadas, local de desenvolvimento do parasita. A doença pode levar ao surgimento de problemas oculares ou neurológicos, sendo urgente o tratamento assim que for descoberta.
Galactosemia: causada pela carência da enzima responsável pro absorver a galactose, a galactosemia provoca vômitos, diarreia e diversos distúrbios de ordem gastrointestinal, já que a galactose está presente em diversos alimentos, como leites, queijos e iogurtes.
AIDS: a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida já é conhecida por todos e felizmente pode ser detectada pelo teste do pezinho. Causada pelo vírus HIV, a AIDS é uma doença que destrói os glóbulos brancos. Assim, a criança não tem agentes protetores, estando aberta à entrada de diversos invasores que causam doenças aproveitadoras.
Qual a importância do teste?

O teste do pezinho é muito importante para averiguar o estado de saúde do recém-nascido. Por conta disso, ele não pode ser descartado ou deixado para última hora. Ao contrário, ele deve ser planejado e feito o quanto antes como garantia para o bem-estar do bebê.

Um pediatra ou médico que esteja acompanhando a gravidez da mãe deve decidir qual o método mais indicado a se fazer, tendo como base as doenças de maiores incidências na região em que a criança viverá, ou então, conferindo o histórico familiar dos pais para conferir se há alguma pré-disposição genética para o aparecimento de algumas doenças. Todas essas medidas devem ser feitas de forma cuidadosa e com toda a responsabilidade possível para evitar problemas futuros.

Ter um bebê exige, além de carinho, muita responsabilidade e atenção. Afinal, é na fase inicial de crescimento que ele está mais sujeito a desenvolver algumas doenças. Por estar tão vulnerável, cabe aos pais e aos médicos darem todo o apoio possível, descobrindo todas as doenças o quanto antes e tratando-as, evitando possíveis sequelas.

Graças ao teste do pezinho, muitas doenças são conhecidas e podem ser eliminadas antes de causarem qualquer tipo de dano. O processo é rápido e vale muito a pena, afinal é apenas uma picadinha que poderá proteger o seu bebê de males maiores.

Nosso artigo esclareceu todas as suas dúvidas sobre o teste do pezinho? Então não deixe de conferir nosso post sobre 7 alimentos que aumentam a imunidade das crianças!

O que é o teste do pezinho e por que seu filho precisa disso?
5 (100%) 7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *