Saiba mais sobre os riscos da obesidade na gravidez.

A obesidade traz um grande risco a saúde em qualquer fase da vida.

Mas durante a gestação esses riscos podem aumentar ainda mais.

A gravidez é um momento delicado e requer cuidados especiais, principalmente quando o assunto é a alimentação que, nessa fase, tem relação direta com a saúde da mãe e do bebê, tanto na vida intra-uterina como no futuro.

A obesidade na gravidez é um problema comum e perigoso.

De acordo com dados divulgados pelo Ministério da saúde, cerca de 45% das mulheres obesas ganharam peso após a gravidez, e especialista confirmam que, a fome não é apenas uma necessidade fisiológica e também pode estar associada a alterações psicológicas e emocionais, como períodos de ansiedade e fragilidade, que podem levar à compulsão alimentar.

No post de hoje você vai conhecer alguns riscos da obesidade na gravidez e ficar por dentro de algumas dicas de como evitar o ganho de peso durante essa fase.

Riscos da obesidade na gravidez.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera obesas as pessoas que apresentam Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 30.

A gestante que ultrapassar essa marca corre mais riscos, não só durante a gravidez como na hora do parto. Além de sofrer com dores mais intensas, nas costas e nas pernas, a grávida pode desenvolver diabetes gestacional, aumentando a propensão de adquirir, definitivamente, a doença após o nascimento do bebê.

A ameaça de pré-eclâmpsia, aumento grave da pressão arterial nesse período, que pode acarretar sérias complicações, é outra razão para a gestante ficar atenta ao peso, assim como as taxas de colesterol, triglicérides e glicose.

O maior afetado pelos riscos da obesidade na gravidez, é o bebê, que fica mais sujeito à malformações, aborto e ruptura antecipada da bolsa, que induz parto prematuro. A gordura excessiva ainda pode dificultar a cicatrização, em caso de um parto cesariano.

A gravidez altera os processos metabólicos da futura mamãe. Se a mulher não estiver preparada emocionalmente, terá mais dificuldades para controlar o impulso de comer, por exemplo.

Ganhar peso excessivamente no período gestacional ou iniciar esse período com sobrepeso ou obesidade são fatores de risco para complicações como diabetes, hipertensão e pré-eclâmpsia, principalmente no final da gestação, e esses males são duas a seis vezes mais comuns em mulheres com excesso de peso.

A obesidade na gravidez também está associada ao maior índice de mortalidade dos recém-nascidos, principalmente no período perinatal, além do nascimento de crianças com defeito no tubo neural, estrutura que dá origem ao cérebro e à medula.

A média de peso dos bebês também é maior que o normal, o que pode provocar riscos obstétricos durante o parto, contribuindo para a maior taxa de cesáreas.

As mulheres que ganham muito peso durante a gravidez têm hábitos alimentares ruins e que, possivelmente, continuam depois do nascimento do bebê.

Para as que iniciam a gravidez com sobrepeso ou obesidade, nenhum aumento calórico é recomendado.

O período de gestação não é o mais adequado para perder peso e é fundamental que a gestante com sobrepeso receba orientação alimentar adequada para não colocar a sua vida e do bebê em risco.

O peso ideal durante a gravidez.

A recomendação dos médicos ginecologistas e obstetras, é que as gestantes engordem, no máximo, até 12 quilos durante a gravidez.

O ideal é ganhar um quilo mensalmente, em média, embora as mulheres altas possam exceder um pouco esse limite.

No primeiro trimestre, muitas gestantes até emagrecem devido aos enjoos. Do quarto ao sexto mês, o ganho de peso também é pequeno, aumentando com mais rapidez no final da gravidez, quando a tendência do organismo é reter mais líquido, provocando inchaço.

Como evitar a obesidade na gravidez.

Para evitar os riscos da obesidade na gravidez é preciso controlar a ingestão de calorias.

A grávida deve consumir alimentos saudáveis e nutritivos, de forma moderada e não ficar em jejum ou passar fome, pois o feto pode sofrer com a escassez de alimentos por várias horas.

Se a mulher não for diabética, o ideal é evitar os adoçantes, porque algumas pesquisas mostram que eles são capazes de provocar alterações fetais. Na dúvida, prefira o açúcar em pequenas quantidades, nos primeiros três meses de gestação.

O indicado é fracionar as refeições, procurando comer de três em três horas, diminuir o sal que pode causar inchaço e comer bastante verduras e legumes, ricos em fibras, vitaminas e sais minerais.

Preferir as carnes magras e os sucos naturais, ao invés dos refrigerantes, que são ricos em sódio e manter – se longe das comidas pesadas e gordurosas, especialmente à noite.

Além do controle calórico, é importante fazer uma atividade física, e caso a gestante não tenha o hábito de se movimentar,o indicado é fazer caminhadas e hidroginástica, que são exercícios com baixo impacto.

Veja algumas dicas para uma gravidez saudável.

  • Beba água constantemente, de 1,5 a 2 litros por dia.
  • Consumir pelo menos três frutas por dia, além de legumes e verduras no almoço e jantar. Esses alimentos são ricos em fibras, que previnem a prisão de ventre, muito comum na gestação.
  • Fracionar as refeições em seis a oito vezes ao dia, com pequenas quantidades, e mastigar devagar. Consumir alimentos com baixo teor de gordura e evitar ingerir líquidos durante as refeições, para facilitar a digestão e evitar azia.
  • A carne é muito importante nesse período, por ser rica em ferro e proteínas. O ferro pode ser melhor absorvido se consumido com frutas ricas em vitamina C, como kiwi, laranja, limão, acerola, tangerina e abacaxi.
  • A amamentação é a grande fonte de perda de peso para a grávida. A mulher que amamenta perde de 400 a 500 calorias por dia. Isso equivale à quantidade de calorias perdidas em mais de uma hora de exercícios aeróbicos.

O cuidado no pós parto.

No momento do parto, além do peso do feto, a mulher perde cerca de um quilo de água e placenta. Os quilos restantes que engordou permanecem, e é aí que os hábitos saudáveis devem entrar em cena, para auxiliar na recuperação da antiga forma.

Uma das maneiras de enxugar medidas é amamentar.

O aleitamento ajuda a desinchar nos dois primeiros meses mas, se a mulher exagerar nas quantidades de comida, pode engordar novamente.

Na fase do pós parto é também importante estar de olho na alimentação saudável, pois durante o período de amamentação mãe e bebê ainda estão diretamente interligados na alimentação.

 

Os cuidados com a gestante devem ser durante toda a gravidez. Mãe e bebê devem sempre estar bem acompanhados e atentos a qualquer sinal de desconforto durante todas as fases da gestação.

Saiba mais sobre os riscos da obesidade na gravidez.
Gostou desta matéria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *