Saiba quais são as 6 doenças mais comuns em períodos de chuvas

Durante os períodos de chuvas, não é só o risco de enchentes e alagamentos que causa preocupação. A saúde também fica comprometida.

As chuvas intensas, junto com o acúmulo de lixo em locais inapropriados, aumentam o número de casos de doenças infectocontagiosas, que são transmitidas pelo contato com a água contaminada.

Hoje vamos apresentar as 6 doenças mais comuns nos períodos de chuvas, seus sintomas e tratamentos. Não deixe de conferir!

1. Virose

Também conhecida como gastroenterocolite aguda, a virose é uma infecção do sistema digestivo e causada por vírus. A principal via de contaminação é a ingestão de água e alimentos contaminados com fezes, ou seja, é oral-fecal.

Por isso, no período chuvoso é tão comum os hospitais e postos de saúde receberem inúmeros casos de viroses. Seus sintomas mais comuns são: diarreia, vômito, mal-estar, desconforto abdominal e falta de apetite.

A virose não dura mais que dois dais, porém, se não for tratada corretamente, pode progredir para casos de desidratação, devido à perda de líquidos causada pela diarreia e pelo vômito.

O tratamento é sintomático, ou seja, voltado para aliviar os sintomas. A manutenção da hidratação é fundamental, até que o paciente se restabeleça.

2. Leptospirose

A leptospirose é causada pela bactéria Leptospira interrogans e é mais uma doença comum em épocas chuvosas. A principal via de contaminação é através da urina do rato que, por meio da água de alagamentos e enchentes, chega até à população.

Febre alta, dores no corpo, infecção nas panturrilhas, e olhos e pele amareladas são seus principais sintomas. Além disso, em casos mais graves, o paciente pode apresentar insuficiência renal, indo, inclusive, a óbito.

O tratamento é feito com antibióticos. O médico deve ser consultado assim que aparecerem os primeiros sinais da doença, pois ela possui alto índice de mortalidade. Segundo o infectologista Paulo Olzon, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a cada dez pessoas infectadas, duas vão a óbito.

3. Febre tifoide

Assim como as doenças anteriores, a febre tifoide é transmitida pelo consumo de água ou alimentos contaminados e, também, através do beijo em pessoa infectada.

Ela é causada pela bactéria Salmonella typhi, que provoca inflamações no aparelho digestivo, causando febre, mal-estar e dor abdominal. Outro sintoma da febre tifoide é o aumento do baço.

O tratamento é feito com antibióticos e tem cura, mas as pessoas devem procurar atendimento médico assim que surgirem os primeiros sintomas. Se não for tratada, podem surgir complicações, como hemorragias, perfuração intestinal e, em casos extremos, evoluir para septicemia e morte.

4. Dengue

Como os períodos de chuvas são mais comuns no verão, a combinação de calor, umidade e água é o cenário perfeito para a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Ele é o transmissor da Dengue, uma doença que já é considerada um dos maiores problemas de saúde do Brasil.

Sua transmissão se dá pela picada do mosquito infectado pelo vírus da doença. Os sintomas mais comuns são:

  • febre alta;
  • dor de cabeça;
  • dor nas articulações;
  • dor muscular;
  • mal-estar;
  • indisposição;
  • manchas vermelhas na pele;
  • dor abdominal.

Em casos de dengue hemorrágica também podem ocorrer sintomas mais graves, como sangramentos uterinos, nasais, gastrointestinais, gengivais e, até mesmo, urinários.

Não existe tratamento específico para a dengue, mas é importante procurar atendimento médico o quanto antes. É importante tomar muito líquido para evitar desidratação e, caso haja febre e dores, é recomendado o uso de antitérmicos.

Em situações mais graves, é necessário a internação do paciente para que seja feita hidratação por via endovenosa.

Para evitar o contágio, a melhor forma é a prevenção. Por isso, recomenda-se que a população elimine os focos do mosquito, evitando deixar água parada onde os mosquitos se reproduzem.

É indicado, ainda, o uso de repelentes e telas na janelas. Contudo, fica o alerta: essas precauções devem ser tomadas não apenas em períodos de chuvas, mas durante todo o ano.

5. Hepatite A

A Hepatite A atinge o fígado e é transmitida pela ingestão de água e alimentos mal lavados, contaminados pelo vírus causador da doença.

Como as pessoas contaminadas eliminam o vírus nas fezes, locais onde o saneamento básico é deficiente ou inexistente, oferecem maiores riscos, principalmente em períodos de chuvas.

Os primeiros sintomas costumam aparecer apenas entre 15 e 45 dias após a infecção da pessoa. São eles:

  • fadiga;
  • vômito;
  • desconforto abdominal;
  • urina escura;
  • perda de apetite;
  • dor muscular;
  • febre baixa;
  • icterícia – amarelamento na pele e nos olhos.

Não é necessário tratar a Hepatite A, pois o próprio corpo se encarrega de se livrar do vírus. Geralmente, o fígado se cura sozinho, em até dois meses. Porém, os sintomas podem ser tratados, acelerando a recuperação.

6. Micoses

Causadas por fungos, as micoses são infecções que atingem as unhas, cabelos e pele. Eles se proliferam em locais úmidos e quentes, por isso, são mais comuns em épocas de chuvas.

A maioria desses fungos vivem na pele, pois se alimentam da queratina presente nas unhas, pele e cabelos. Mas, quando encontram condições favoráveis, como umidade, calor e baixa imunidade, eles se proliferam e podem causar doenças.

Os principais sintomas são: coceira, descamação, manchas brancas ou avermelhadas na pele, principalmente em áreas de dobras – entre dedos das mãos e pés, axila e virilha.

Ao notar alteração na textura da pele, busque atendimento médico. A coceira e a escamação também merecem atenção. O diagnóstico é feito pela aparência, já que as manchas são bem visíveis.

O tratamento é realizado com drogas antifúngicas e é variável, pois depende do local onde a infecção se instalou e da sua gravidade. O importante é que o tratamento não seja interrompido até que os sintomas tenham sumido.

Como você percebeu, quando chega o verão e as chuvas aumentam, é hora de aumentar os cuidados com a saúde, principalmente em locais com saneamento duvidoso. Fica também o alerta para o cuidado com alimentos mal higienizados, já que muitas dessas moléstias são transmitidas via oral-fecal.

Agora que você conhece as doenças mais comuns em períodos de chuva, não deixe de tomar as precauções necessárias para evitá-las. E se você conhece mais alguma que deixamos de citar, deixe seu comentário no post!

Gostou desta matéria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *