Saiba quais são as doenças mais comuns em bebês recém nascidos

Os bebês recém nascidos trazem muita alegria à família e são as coisas mais lindas que alguém pode ver. Porém, eles também possuem o seu próprio ritmo e suas próprias patologias, que não devem ser encaradas da mesma maneira que as doenças que acometem os adultos. Por isso, o post de hoje irá lhe informar sobre as 7 doenças mais comuns dos pequenos e o que fazer em cada uma delas. Acompanhe!

1. Cólica

Este é, sem dúvida alguma, um acometimento comum em recém nascidos e que deixa muitos marinheiros de primeira viagem de cabelo em pé. As cólicas são muito comuns, pois o sistema digestivo do bebê está tentando se adaptar a novos alimentos, como o leite materno e até mesmo a água. Por isso, é comum que o bebê sinta dor abdominal e desconforto.

Não há exatamente um tratamento com medicamento a ser feito. Porém, até o estômago do pequeno conseguir se adaptar, algo que acontece por volta do 3º ou 4º mês, os pais podem aliviar a dor com algumas técnicas.

Por exemplo, massagens, usar bolsa de água quente e fazer flexão nos membros inferiores são algumas das medidas paliativas mais utilizadas. Outra técnica já comprava que acalma o bebê nesse momento é o famoso banho no balde, pois ele fica em posição fetal.

2. Dor com o nascimento dos primeiros dentes

Esse é um episódio do qual os pais e o bebê não podem escapar. Infelizmente, é um momento no qual a criança sente dor e é bastante desconfortável. O recém nascido pode ter febre um pouco acima de 37° (acima de 38° deve ter uma atenção especial) e a criança pode até se recusar a mamar por conta da dor.

Uma ótima estratégia é comprar mordedores para as crianças, pois ajudam a coçar a gengiva e também fazem o dente sair mais rápido. Os melhores modelos são aqueles fabricados em gel e que podem ficar na geladeira. O fato do mordedor estar gelado também ajuda a trazer um certo alívio ao pequeno. Também, o pediatra pode passar uma pomada analgésica para passar na gengiva.

3. Pneumonia

A pneumonia é comum em quadros que, inicialmente eram apenas uma gripe ou resfriado, e não foram tratados de maneira correta ou de forma persistente. A pneumonia em bebês recém nascidos pode ser grave e deve ser avaliada por um médico especialista a todo instante. O pulmão fica cheio de muco, dificultando as trocas gasosas e provocando chiados no peito.

O próprio pediatra irá indicar o tratamento que deve ser realizado e pode ser até necessário que a criança passe alguns dias no hospital sob observação da equipe. No mais, o bebê deve estar sempre hidratado e bem monitorado quanto à temperatura. Também é interessante usar bombas específicas para sugar o catarro do nariz.

4. Otite

A otite é uma inflamação que ocorre no ouvido que, normalmente, acontece devido ao agravamento de uma virose preexistente, produtora de muco que se acumula nos canais auditivos. O bebê fica irritado e com choro intenso, também pode perder a fome. Ainda, pode haver febre, normalmente menor que 39°.

Apenas o médico pode dar o diagnóstico de otite e ele também fará a prescrição de medicações e o que fazer com o bebê. Fazer inalações e usar a bomba de sucção para remover o catarro são algumas formas de ajudar no tratamento.

5. Resfriado

Como só bebês ainda não possuem um bom sistema imune, eles costumam pegar resfriados com muita frequência. As chances de adquirir a patologia são ainda maiores quando entram em contato com outras crianças como em creches, por exemplo. Os sinais e sintomas são: obstrução nasal, coriza, febre baixa e tosse.

Levar a criança ao pediatra é muito importante para que ele possa dizer o que a criança tem e, só depois, poder indicar o melhor tratamento para o caso. Em relação ao resfriado, não há muito o que fazer além de dar as medicações prescritas, que normalmente é apenas um antitérmico, fazer inalações periódicas e limpar o nariz para retirar o muco. A febre pode persistir e se atingir mais de 38,5°, nesse caso, você deve levá-la ao atendimento de emergência.

6. Infecção urinária

Ao contrário do que se pode pensar, a infecção urinária não acomete apenas adultos. As crianças de até 1 ano também podem desenvolver a doença. A infecção ocorre quando uma bactéria entra no sistema urinário, o que pode acontecer pela maneira como o bebê é limpo, principalmente em meninas.

Quando a criança faz cocô, por exemplo, os pais são orientados a fazer a limpeza sempre de baixo para cima, ou seja, começar próximo ao órgão genital. No sentido contrário, as bactérias encontradas nas fezes podem encontrar uma porta de entrada para dentro do corpo da criança.

7. Brotoejas

As pintas vermelhas que aparecem nos bebês e que são muito conhecidas como brotoejas também podem ser chamadas de crosta láctea, que é um tipo comum de dermatite seborreia em recém nascidos. É uma doença que acomete a pele e que causa vermelhidão, coceira e descamações, aparecendo principalmente no couro cabeludo.

Pode aparecer nas primeiras semanas de vida, mas se torna incomum a partir do 1 ano de idade. Isso ocorre porque a pele do bebê ainda está se acostumando ao ambiente e alguns poros ficam tampados, impedindo a transpiração, por exemplo.

Normalmente, as brotoejas acontecem muito na época do calor, quando o bebê transpira mais. Então, o que os pais podem fazer é aliviar a temperatura vestindo-o com roupas leves, dando banhos com água em temperatura ambiente e usar sabão neutro.

Na hora de enxugar, não esfregue a toalha na pele do pequeno, o ideal é a penas pressionar o tecido. Outra boa dica é usar um óleo vegetal antialérgico na pele da criança pouco antes de dormir.

De maneira geral, os bebês recém nascidos pedem uma atenção especial dos pais já que eles estão a todo momento encontrando novas condições nesse novo mundo que se abre para eles. Tudo para o corpo da criança é novidade e é preciso dar um tempo mínimo para que o organismo se habitue e comece a criar defesas contra as várias patologias que podem aparecer nesta idade.

O que achou das nossas dicas e informações? Você tem algum truque que dá certo com o seu bebê? Conte para a gente!

Saiba quais são as doenças mais comuns em bebês recém nascidos
4.67 (93.33%) 12

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *