Solucione as suas 16 maiores dúvidas sobre vacinação infantil!

A vacinação infantil é a melhor maneira de proteger bebês e crianças de uma série de doenças graves (e até fatais) que podem ser contraídas durante a vida. As vacinas são criadas a partir dos próprios agentes agressores causadores de enfermidades — mas em uma forma atenuada ou inativa, para ensinar nosso sistema imunológico a reconhecer esses invasores, possibilitando a criação de anticorpos para combater vírus e bactérias.

No entanto, muitas dúvidas pairam no ar quando o tema é vacinação infantil. Por isso, a seguir, responderemos alguns dos questionamentos mais comuns para que você possa entender tudo sobre esse tema. Confira:

Qual a importância da vacinação infantil?

Quando nascemos, nosso organismo possui poucas, ou quase nenhuma, defesa contra agentes agressores externos. A vacinação é extremamente importante para estimular e desenvolver a produção de anticorpos, mecanismos de defesa do corpo humano contra doenças.

Quais são as primeiras vacinas?

Ainda na maternidade os bebês recebem as duas primeiras vacinas da vida. A BCG, que imuniza contra tuberculose, e a vacina contra Hepatite B.

De quais formas as vacinas podem ser ministradas?

A maioria das vacinas existentes são injetáveis. A vacina BGC, por exemplo, é aplicada via intradérmica, na face anterior do antebraço, enquanto a da Hepatite B é dada no músculo da coxa do bebê.

Somente a vacina contra a poliomielite, causadora da paralisia infantil, é ministrada via oral, por isso o motivo da campanha do famoso Zé Gotinha.

O que é o calendário vacinal?

É cronograma sequencial de vacinas que deve ser respeitado quanto aos prazos, sua sazonalidade, número de doses, intervalos e a aplicação simultânea de vacinas para que a criança possa desenvolver anticorpos de maneira adequada e no momento apropriado.

Quais vacinas são obrigatórias para as crianças?

Após as vacinas recebidas na maternidade, aos dois meses de vida a criança deve receber a dose da tetravalente, que imuniza contra difteria, coqueluche e tétano. Além dela, a criança deverá tomar a vacina contra a bactéria Haemophilus Influenzae, causadores de doenças graves e fatais, como meningite e pneumonia.

No mesmo dia, também podem ser ministradas as gotinhas da Sabin, contra a poliomielite, uma vez que não há nenhuma restrição para tomar vacinas em conjunto.

Somente uma dose é necessária?

A imunização completa da tetravalente e contra a pólio não se dá com uma única dose. Em ambos os casos, são necessárias duas doses ainda no primeiro ano de vida, além de outras aos quatro e aos seis meses de vida. Além disso, reforços contra essas doenças ainda devem ser tomados com um ano e meio e, finalmente, aos cinco ou seis anos de idade.

No caso da bactéria Haemophilus, o Programa Nacional de Imunização prevê a aplicação de três doses: aos dois meses, aos quatro e aos seis.

Existem outras vacinas no calendário oficial?

Também faz parte do calendário oficial a vacina combinada contra sarampo, caxumba e rubéola, doenças que anos atrás eram responsáveis por grande número de óbitos infantis. A primeira dose deve ser tomada com um ano e a segunda por volta dos cinco anos.

Em alguns lugares do território nacional também é recomendada a imunização contra febre amarela a partir dos nove meses de idade.

Existem vacinas obrigatórias fora deste calendário?

Embora bastante recomendadas, a vacinação contra catapora e contra gripe não estão incluídas no calendário nacional. A primeira por se tratar de uma doença considerada benigna, mas que pode trazer complicações graves e a da gripe por ser um doença eventual.

Contudo, nos últimos anos a vacinação contra gripe ganhou maior atenção e é recomendada para crianças a partir dos seis meses.

O Programa Nacional de Imunização é realmente bom?

Sim, o programa brasileiro de vacinação infantil é um dos mais completos do mundo, com índices superiores a 90% de crianças imunizadas em todo país. Porém, por questões geográficas e falta de recursos financeiros, nem sempre é possível distribuir as vacinas gratuitamente toda a população infantil.

Quais os efeitos colaterais e reações decorrentes das vacinas?

Os efeitos colaterais mais comuns são febre, inchaço e dor no local da aplicação, mal-estar e irritabilidade.

Vacinas podem causar problemas de saúde?

Reações como urticárias e choques anafilático em decorrência de alguma tipo específico de alergia podem ocorrer e as doses seguintes devem ser suspensas.

Problemas mais graves, como complicações neurológicas, são ainda mais raros e ocorrem uma vez para cada 200 mil doses aplicadas.

Quando meu filho não pode ser vacinado?

São bem poucas as restrições que impedem a vacinação infantil. Somente em casos de febres muito altas — acima de 39 C — e de doenças que alterem a resistência imunológica a vacinação deve ser adiada.

Há diferença entre a vacina dos postos de saúde e das clínicas particulares?

Nenhuma! Clínicas médicas e postos de saúde são rigorosamente fiscalizados pela Vigilância Sanitária, principalmente em fatores relacionados ao armazenamento dos medicamentos e o manuseio das vacinas.

Porém, em alguns casos, pode não haver disponibilidade de vacinas na rede pública, somente na particular. Converse com seu médico para ele indicar o melhor local.

O que fazer em caso de atraso?

Não há problema se o atraso não for muito grande. Também não é preciso reiniciar o calendário. Basta tomar a dose faltante.

Posso adiantar a dose?

Existe um período específico para que as doses ativem os mecanismos de defesa e nosso organismo passe a produzir anticorpos. Esse intervalo precisa ser respeito e adiantar doses não trará nenhum benefício, somente se esse adiantamento for questão de dois ou três dias.

Qual o melhor período para ser vacinado?

Não há nenhuma contraindicação referente aos horários de vacinação. É uma questão de disponibilidade. Mas recomenda-se a vacinação infantil pela manhã, para que caso ocorra algum efeito colateral ou reação adversa seja possível detectar o problema ao longo do dia.

A vacinação infantil é coisa séria! Procure respeitar o cronograma das vacinas e não atrasar as doses. A carteira de vacinação vale em todo território nacional, mas sempre procure por serviços e locais credenciados e capacitados para aplicação. E não hesite em procurar seu médico em caso de alguma reação adversa.

Ainda tem alguma dúvida sobre vacinação infantil? Deixe seu comentário abaixo para que possamos te ajudar!

Solucione as suas 16 maiores dúvidas sobre vacinação infantil!
Gostou desta matéria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *