Sabe qual é o problema de artigos de internet que falam sobre frutas que grávida pode comer? 

Nenhum deles sabe ao certo se as frutas citadas realmente podem ser ingeridas por você.

Porque é impossível falar sobre o que você pode ou não comer sem antes conhecer as suas necessidades reais e atuais.

Por exemplo, se você não começou o acompanhamento pré-natal antes mesmo de engravidar e você se descobriu grávida no meio do caminho com um acompanhamento pré natal sem a atenção necessária. 

Você pode estar, nesse exato momento, com deficiências de algum nutriente no corpo. E a solução disso pode não estar nas frutas.

Ou até está. 

Mas você precisa repor de forma tão urgente esses nutrientes, que somente elas não darão conta do recado para manter a sua saúde e a do bebê intactas.

No entanto, calma. Não estamos tentando te deixar em pânico. 

Mas, antes de entregar de forma genérica as frutas que uma grávida pode comer. A nossa preocupação com a sua saúde vem em primeiro lugar.

Portanto, se você não sabe quais frutas você pode comer durante a sua gestação, algo de errado não está certo. 

Porque a esta altura do campeonato, você deveria ter sua alimentação diária por escrito, repassada por um nutricionista que está sendo guiado de acordo com as necessidades apontadas durante o seu pré-natal.

Portanto, neste artigo, não vamos falar de frutas para você. Mas, principalmente, dos nutrientes e da necessidade deles durante a sua gravidez.

O ciclo energético dos 3 meses

Muitos talvez não saibam disso, mas a verdade é que as necessidades do seu corpo durante a gravidez mudam significativamente de 3 em 3 meses.

Preste muita atenção agora porque para entender o ciclo energético dos 3 meses vamos precisar fazer alguns cálculos.

A gestação dura em média 40 semanas. Mas se cada semana tem 7 dias o período gestacional tem 280 dias ao todo.

Agora, a estimativa de consumo de energia (caloria) de uma mulher adulta e sadia é de 25 a 30 kcal (quilocaloria) por kg de peso corporal para suprir toda a demanda de energia do corpo sem alterar a balança.

Por exemplo, se você pesa 50 kg, o seu consumo diário de kcal deve ser algo entre 1250 a 1500.

Porém, durante todo o período gestacional, ou seja durante os 280 dias de gestação, o seu corpo pede o consumo de 80.000 kcal para dar conta da geração do feto e da adaptação do seu corpo.

Esse valor representa um aumento de 300 kcal diárias durante a gravidez. Então, de 25 a 30 kcal diárias por kg de peso a mulher precisa agora de 30 a 35 kcal.

Mas se é isso que acontece diariamente, porque o ciclo energético é de 3 meses?

Porque durante os primeiros 3 meses, a saúde do seu bebê será determinada pela sua condição inicial, levando em conta as reservas de energia e nutrientes que já existem no seu corpo.

Por isso, reforçamos que você pode estar neste exato momento, com deficiências nutricionais no corpo e não saber. Essa deficiência pode não ter atrapalhado você até agora.

O problema é que na gravidez, existe outra vida precisando de energia, e o seu corpo precisa fornecer isso.

Depois dos 3 primeiros meses, os fatores externos vão passar a ter contribuição direta sob a condição nutricional bebê.

Ou seja, o ganho de peso adequado, o fator emocional, o estilo de vida serão e a ingestão suficiente de energia determinantes para o crescimento e desenvolvimento adequado do bebê.

Ao contrário do que se fala você não precisa comer por dois

Apesar da ingestão de energia ter um papel extremamente importante na gestação. Há também. O aumento da demanda de vitaminas e sais minerais.

Isso acontece por dois motivos.

  1. Apoiar o crescimento e desenvolvimento do bebé
  2. Apoiar a adaptação e a mudança corporal. Em outras palavras,  facilitar o desenvolvimento da placenta e dos tecidos do seu corpo, suprir as demandas de energia e a manutenção do peso

Mas, aumentar a ingestão de nutrientes não significa que você precise comer mais. E para ser bem sincero com você, essa ideia de que uma grávida precisa comer por dois é uma ilusão.

A verdade é que existe uma diferença sutil entre comer muito e comer bem que é a virada de chave para garantir uma alimentação saudável.

Porque comendo muito você só aumenta a quantidade de comida na refeição. Já comendo bem você aumenta a quantidade de nutrientes da comida na refeição.

Portanto, o foco é nos nutrientes e não na quantidade de comida. 

Alimentos diferentes, fornecem quantidades de nutrientes diferentes O que você precisa saber é onde encontrar esses nutrientes.

Os 9  nutrientes que não podem faltar na sua alimentação durante a gravidez

Eles não são os únicos nutrientes importantes. Porém, eles apresentam um grau de importância um pouco maior do que os outros.

Mas atenção porque nem todos eles você consegue encontrar nas frutas.

Eles vão ajudar no crescimento do bebê, na formação do esqueleto e dentes, no desenvolvimento neurológico, na evolução cognitiva. 

Além disso, eles diminuem os riscos de nascimentos prematuros, mortes prematuras e de má formação da criança ainda na barriga.

Portanto, você não pode deixar esses 9 nutrientes de fora da sua alimentação: Ferro, Cálcio, vitamina D, Vitamina B9 ou Ácido Fólico, Magnésio, Zinco, Iodo, Hidratos de carbono e Proteína.

Você não deveria se preocupar com quais frutas você pode comer

Repetindo o que a gente conversou no começo deste artigo, é impossível falar sobre o que você pode ou não comer sem antes conhecer as suas necessidades reais e atuais.

Você precisa ser acompanhada de forma adequada durante todo o período de gravidez. 

E o seu nutricionista ou obstetra é quem poderá falar melhor o que pode ou não ser consumido por você.

Em tese, quase todas as frutas vão te fazer bem e o único cuidado é o quanto você pode comer de cada uma delas por dia. 

Porém, vamos repetir, somente o seu nutricionista ou obstetra é quem poderá falar melhor o que você pode ou não comer durante a sua gestação.

Category
Tags

Comments are closed